terça-feira, 7 de setembro de 2010



Não me perguntem quantos anos tenho,
E sim, quantas cartas mandei e recebi.
Se mais jovem, se mais velha...o que importa?
Se ainda sou um fervilhar de sonhos,
Se não carrego o fardo da esperança morta...
Não me perguntem quantos anos tenho,
E sim, quantos beijos troquei – beijos de amor!
Se a juventude em mim ainda é uma festa,
Se aproveito de tudo a cada instante,
e se bebo da taça gota a gota...
Ora! Então pouco se me dá quanta gota resta!

(Desconheço a autoria)

Um comentário:

ઇઉઇઉ disse...

Que linda poesia! também tenho um blog
De poesias venha conhecer, será um prazer
To seguindo seu blog bjs.